quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Finalmente Amando a nós Mesmas

Boa Tarde Queridos Leitores!!


Quem já me conhece, sabe que sou APAIXONADA pelo Sistema FLYLady, e finalmente encontrei um texto que descreve como e porque eu me apaixonei!


Uma das Moderadoras do Grupo FLYBabies, a FLYMiga Mila, teve a felicidade de escrever essas palavras e descrever de forma tão linda o que ele pode nos oferecer... leiam, com muita calma e degustem, como eu degustei e me senti presenteada...


Uma Carda de Boas-Vindas às FLYMigas:

Seja bem-vinda ao nosso grupo - Flybabies no Brasil.  Gostaríamos de conhecer mais sobre você - são dados que podem fazer parte das assinaturas das suas mensagens,  assim se soubermos  sua idade, sua profissão, o local onde vive, se tem filhos, se tem ou não animais de estimação, teremos  como conhecê-la  melhor, até mesmo trocar dicas e informações relacionadas ao lugar em que mora ou sobre sua profissão. Você pode programar uma assinatura em seu programa ou servidor de e-mails ou deixar pronto num documento de texto (tipo Word) e copiar e colar ao final de suas mensagens. 

Muitas FLYMigas também chegaram ao grupo buscando informações e fundamentos sobre organização e gerenciamento do tempo. Se você fizer parte de outros grupos que tratam de organização e produtividade (não apenas no lar) encontrará muitas de nós por lá. 

Podemos dizer mesmo que esse é nosso movimento inicial - geralmente já conhecemos muitos fundamentos - trabalho em etapas, estabelecimento de rotinas, priorização de metas, gerenciamento de recursos (tempo, espaço físico e financeiros). Para muitas de nós, acaba faltando o "como-fazer-de-forma-simples", o que realmente é possível executar de tantas propostas. Uma forma de realizar, na prática, esses fundamentos de organização é proposta pelo sistema FLY. A seguir, reproduzo, parte de outros e-mails que enviei a algumas FLYMigas:
Nosso grupo fundamenta-se no sistema americano FlyLady , criado por Marlla Cilley - no qual a palavra fly (voar) também é sigla deFinally Loving Yourself (finalmente amando a si mesma).  O sistema propõe que o processo de amar a si mesma envolva rotinas e atitudes nos campos pessoal, familiar e espaço do lar, enfrentando o que Marla chama de CHAOS (Can't Have Anyone Over Syndrome), que, numa tradução muito livre, podemos entender como uma pessoa vivenciando caos financeiro, emocional, organizacional,  enfim um conjunto de desordens de todo tipo.  Alguns autores indicam que a organização  da casa e o establecimento de rotinas que conduzam ao bem estar podem contribuir para o enferentamento de estados depressivos e a  melhoras no relacionamento interpessoal.

No entanto, o FlyLady é uma concepção de  sistema que se fundamenta num jeito americano de entender o mundo, com regras e ritos  muito adequados à cultura dos U.S.A..  Assim, nossa querida Roseli de Araújo Gomes, a Rô, moderadora e criadora do  nosso grupo Flybabies no Brasil, vem traduzindo os documentos do grupo e conduzindo suas práticas numa perspectiva mais brasileira, mais próxima de nossas vidas. Ela publica dois blogs nos quais expõe o jeito brasileiro de ser Flyhttp://www.flyrobrasileira.blogspot.com/http://fly_ro_brasileira.zip.net/index.html.  Os documentos do nosso grupo, que você já está lendo, refletem esse olhar brasileiro, sem perder a essência do sistema. Pelo contrário, Rô, assim como as demais moderadoras,  é muito convicta quanto aos princípios norteadores - sem eles não há o sistema FLY, mas um conjunto de hábitos e atitudes que, apesar de saudáveis, não chegam a ser alguma coisa diferenciada.

São alguns princípios:
  • O compromisso pessoal de manter a pia brilhando - é incrível como a visão de pia limpa pela manhã é motivadora para iniciarmos nosso dia com disposição;
  • Manter-se arrumadinha, mesmo com simplicidade, todo tempo - existe algo mais deprimente que estar de pijamas ou camisola,  com o cabelo desalinhado, às três da tarde e nos vermos no espelho como participantes de  um dia que ainda não se iniciou completamente? Ou se tocar a campainha, como poderemos atender com dignidade a quem chega? Ou ter a camisola manchada de óleo ou algum molho utilizado para fazer o almoço? No sistema americano, recomenda-se sapatos de amarrar, tipo tênis ou sapatênis; à brasileira, podemos ter desde sapatilhas de tecido, sandalinhas jeitosas e charmosas até os próprios tênis e sapatos - cada uma vai decidir de  acordo com os hábitos da família, clima e preceitos religiosos  - valendo até ficar descalça, se for fundamental para preservação dos princípios religiosos e/ou culturais. Só não vale ficar descalça por desleixo ou usar uma sandalinha supercambeta que, ao invés de proteger, prejudica os pés;
  • Cumprir as rotinas da manhã e da noite, sendo persistente mesmo quando sentir muito cansaço e desânimo.  Para quem trabalha fora, essas rotinas são inegociáveis, pois permitem ver algo parecido com um lar quando retornamos à casa e também "agendam" os compromissos com a saúde e com o lazer, que muitas vezes só nos lembraríamos no meio do dia seguinte;
  • Usar racionalmente o computador - que é muito útil, até o momento que nos tornamos servas da Internet e da máquina, deixando de viver as possibilidades que a vida real nos traz;
  • Ser exemplo para si mesma e para os outros, sempre. Se tirar alguma coisa do lugar, devolva. Se sujar, limpe. Se molhar, seque. Só compre ou leve para casa alguma coisa, se tiver um lugar adequado para guardar;
  • Fazer um trabalho de cada vez, só iniciando um novo projeto se  o anterior tiver sido terminado. Tal atitude nos ajuda a administrar os recursos financeiros, o tempo, a disponibilidade de outras pessoas e, também, nos orienta a somente assumir metas alcançáveis;
  • Só deslocar  coisas que  possam ser devolvidas ao lugar em uma hora. O exemplo clássico é a arrumação do armário de roupas - se tirarmos tudo de dentro, teremos o quarto extraordinariamente bagunçado, montanhas de roupas e outros objetos em cima da cama, cadeiras e sobre o chão. Se arrumarmos uma gaveta por vez, em pouco tempo teremos uma parte do todo já organizada, sem produzir muita bagunça e situações de strees.  As coisas a serem descartadas vão para o lixo, as que serão doadas já poderão ser devidamente embaladas e organizadas e as que forem transferidas de lugar já estarão em seus locais definitivos. Até os organizadores profissionais fazem assim, quando é possível;
  • Fazer alguma coisa por você, todos os dias - algo pessoal e simples, como ler uma revista que goste,  uma massagem nos pés  ou cumprir uma agenda própria pode elevar a auto-estima e criar situaçãoes de prazer pessoal;
  • Trabalhar o mais rápido possível, para ganhar tempo para o convívio familiar, mimos pessoais e ter rapidamente a sensação de metas atingidas (que é muito importante quando a depressão está rondando por perto);
  • Sorrir e ter atitudes proativas em relação aos outros, como cumprimentar e elogiar a apareência, algum feito, etc. Isso é contagiante, a partir de um sorriso, todo o processo de comunicação se torna mais fácil. Lembrar que sorrir mesmo que estiver sem vontade não é falsidade, é uma atitude de bem querer a si mesma e ao próximo;
  • Gargalhar e procurar o lado leve das situações. Buscar  o que é engraçado e inusitado  pode nos aliviar de alguns fardos da vida. No mesmo sentido, mimar a si mesma também ajuda a encarar a vida com leveza e disposição.
Se parecer difícil colocar em prática todos esses princípios, quando não temos tempo e/ou disposição, contamos com alguns procedimentos que nos tornam verdadeiras senhoras de nossos vôos:

  • Ter consciência que o caos não se intalou em um dia, portanto não será em um dia ou dois que as coisas estarão resolvidas.  Trabalhamos em pequenos passos - os baby steps e vamos longe, longe. Já dizia Chico Science -  um passo à frente e você já não está no mesmo lugar...
  • Estudar as rotinas e adaptá-las às sua necessidades - sem abrir mão do que é fundamental. Por exemplo, arrumar a cama é praticamente inegociável; manter a pia seca e brilhando é obrigatório, higiene pessoal, nem se fala, mas outros itens podem ser adaptados às suas necessidades e da família.
  • Dispensar 27 itens que não tem serventia, beleza ou adequação. No início, pode parecer algum traço cultural de americanos obstinados com organização. Quando aplicados, percebemos os montes de coisas supérfluas que nos rodeiam, de coisas que já perderam sua utilidade ou sentido em nossas vidas.  Alguns destes itens nunca sequer chegaram a ter sentido, como bugigangas que ganhamos como "brindes" e que não têm nem uso, nem beleza. 
  • Namorar é importante, as relações afetivas trazem sentidos especiais à vida humana e devem ser valorizadas.
  • Promover 15 minutos diários de combate à bagunça - o "declutter", que podem ser divididos em intervalos menores até somar 15 minutos.
  • Cuidar para que focos de bagunça não se alastrem como fogo (em sentido figurado) - é o chamado combate aos hot spots, geralmente coisas cotidianas como correspondência acumulada, jornais e revistas amontoados à esper que se serem lidos algum dia, chaves e copos fora do lugar, roupas e mochilas deixadas "pelo caminho" ou brinquedos e material de artesanato usados e não guardados. É impressionante o que conseguimos "apagar" em apenas dois minutos.
  • Fazer pausas ou intervalos para descansar, fazer um mimo, desanuviar-se, relaxar um pouco.
  • Fazer um planejamento diário, semanal e mensal - isso ajuda a organizar as etapas de cada tarefa, evita  repetições e omissões e também á a real dimensão do que temos a fazer. Vale o planejamento financeiro, estabelecer agenda de tratamentos de saude e beleza, cuidados com familiares, planejamento de compras e cardápios, cuidados com os pets, etc. Vale registrar tudo num caderno especial - o Control Journal (CJ), para que você não se disperse muito no computador. Nesse verdadeiro diário de bordo, também vale a pena registrar os aprendizados, dicas testadas, receitas aprovadas, calendário de aniversários, telefones de emergência, endereços úteis, cadastro de prestadores de serviço, se possível com os preços cobrados, dúvidas quanto a procedimentos. Uma forma legal de organizar o CJ é usar um fichário, daqueles que vamos acrescentado folhas e envelopes plásticos, além de uma calculadora bem simples e um bloquinho de anotações para registrarmos provisoriamente alguma coisa.
  • Obedecer à rotina semanal para cada área específica da casa, quando aprofundamos a limpeza e ficamos mais atentas a pequenos reparos. A FLY Lady divide a casa em cinco zonas, que permitem a manutenção da casa sem grandes transtornos e desgaste físico.
  • Promover pelo menos uma hora semanal de Benção ao Lar, período em que damos um vôo sobre os cômodos, em intervalos de 10 minutos. Não faremos uma limpeza meticulosa, mas deixaremos as coisas em ordem. Por exemplo, não vamos arrastar móveis para limpar a poeira acumulada, mas vamos varrer ou aspirar todos os miolos dos cômodos. No começo, parecerá que sempre ficamos a dever muita coisa, mas essa sensação desaparecerá ao longo dos primeiros meses (meses?, acho que  em um mês já temos resultados muito bons), pois a hora semanal aliada aos quinze minutos diários de combate à bagunça, às rotinas matinais e noturnas, ao combate aos hot spots, aos mimos e cuidados pessoais a limpeza detalhada por área semanal nos mostrarão o novo lar de uma flybaby - uma mulher que consegue administrar seu lar de forma organizada, sem escravizar-se ao trabalho doméstico, mais feliz e com a auto-estima em alta, capaz de mimar-se  e de oferecer o melhor de si mesma ao parceiro, aos demais familiares, aos amigos e a seus pets. E, certamente, poderá colher os bons frutos desse trabalho em mais tempo para o lazer, mais amorosidade com o marido, namorido, namorado ou par, mais qualidade de convivência com os filhos e demais parentes, mais retorno financeiro de seus ganhos ou da administração da verba familiar, animais mais cuidados e consumo mais consciente. E terá, ainda, uma  sólida rede de amigas virtuais para contar a qualquer hora.
  • No mais, observar os documentos que orientam para quem trabalha fora, limpezas de emergência, mudanças de residência, planejamento de férias e o especial roteiro para os feriados de fim-de-ano. 

Aqui aplicamos as regras gerais de Netqueta e evitamos discutir futebol, religião e política partidária - são questões muito pessoais  e todas merecem ser respeitadas em suas opções, portanto evitamos esses enfoques em nossos posts.

Também evitamos o repasse de correntes, mensagens de agradecimento e outros assuntos pessoais, que devem ser tratados diretamente com a agraciada/interessada.

Evitamos o flood (posts desnecessários a um tópico só para mante-lo em evidência) e incentivamos o envio de relatos pessoais, de experiências com as rotinas e regras do sistema, amamos posts com receitas e dicas testadas.

Somos muitas e animadas FLYMigas (uma forma carinhosa de nos identificarmos)  e no convívio com o grupo você perceberá qual é o nosso  jeito de ser FLY. Espero que goste!

Caso precise de qualquer orientação sobre o funcionamento do grupo ou sobre a interação com as demais amigas da lista de discussão do nosso grupo, conte com as moderadoras Roseli, Graziele, Vivian, Maria José, Érica  e Mila.

Desculpe o texto tão longo, seja bem-vinda  e continue firme na leitura e prática dos baby steps e rotinas.

Abs,

Mila S.

Uma das moderadoras
Inscrita no grupo em 17/08/2008 e fora da janelinha desde 19/10/2008
Amando aprender a finalmente amar a si mesma...

Um comentário:

Mila disse...

Muito querida Roseli,

Obrigada pelo carinho. Conforme já disse em outros espaços, você é uma ótima guia. Com você por perto, fica fácil acompanhar essa sua (nossa) paixão.
Um grande abraço,
Mila